Quarta, 08 de Julho de 2020
44-99956-1401
Saúde CORONAVÍRUS

Vacina de Oxford contra Covid-19 pode estar disponível no Brasil ainda neste ano

Medicamento está sendo desenvolvido em parceria com a farmacêutica britânica AstraZeneca

23/06/2020 06h08 Atualizada há 2 semanas
308
Por: Mauricio Biriba Fonte: Portal do Viola News/com informções Revista veja
Vacina de Oxford contra Covid-19 pode estar disponível no Brasil ainda neste ano

O imunizante contra o novo coronavírus desenvolvido pela Universidade de Oxford, em parceria com a farmacêutica britânica AstraZeneca, está em fase mais adiantada e é considerado o mais promissor até o momento.

No início deste mês, a vacina passou a ser testada no Brasil. O país é o primeiro fora da Europa a participar da fase 3 da iniciativa.

Em entrevista à VEJA, o presidente da AstraZeneca, Fraser Hall, afirmou que, até setembro/outubro deste ano, a empresa entregará 400 milhões de doses do medicamento.

Fraser explicou que um dos motivos para trazer o estudo ao Brasil é pelo avanço da pandemia. “Com uma vacina, você quer que o efeito apareça o mais rápido possível e é mais provável que aconteça em um país no qual ainda há uma alta taxa de contágio”, disse.

O estudo é possível graças à aprovação da Anvisa, segundo Fraser, que destaca a agilidade na aprovação. “Escolheram o tempo total de aprovação para três dias, o que é fantástico”, diz o especialista.

A pesquisa será feita em pessoas saudáveis que estão na linha de frente do novo coronavírus. Segundo o presidente da farmacêutica, os primeiros resultados devem surgir entre agosto e setembro deste ano.

Fraser revelou à VEJA’ que o processo de distribuição envolve um trabalho estatístico que será definido por várias organizações e autoridades envolvidas na pesquisa.

Sem definir um prazo para a distribuição das doses, o especialista diz que o objetivo é entregar o medicamento ainda neste ano.

“Espero que nas próximas semanas, antes do final de junho, nós possamos anunciar tanto o número de doses solicitadas pelo Brasil como a forma de entregar essas doses para o país”, detalhou em entrevista exclusiva à VEJA’.

Sobre expandir a produção no Brasil, o presidente da farmacêutica que tem uma unidade em Cotia, em São Paulo, diz que está avaliando todas possibilidades.

Com capacidade inicial de produção de 1 bilhão de doses, a companhia aguarda resultados dos testes clínicos para aumentar a produção do medicamento, que já está sendo produzido antes mesmo da finalização dos testes.

Atualmente, a pesquisa está sendo realizada no Reino Unido, EUA e Brasil. Outros países da África podem ser incluídos em breve, segundo o profissional.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Francisco Alves - PR
Atualizado às 11h47 - Fonte: Climatempo
12°
Céu encoberto

Mín. Máx. 16°

12° Sensação
18.2 km/h Vento
58.6% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (09/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 15°

Geada
Sexta (10/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 19°

Geada
Ele1 - Criar site de notícias